27/02/2017

Tártaro.

Tártaro, um lugar de punição,
os que não obedeciam a tradição,
eram para lá mandados!
Antes disso, os castigos eram aplicados 
sem ao menos serem julgados.
Sísilo, ladrão e assassino, o mais astuto dos mortais,
como todos sabem, foi condenado 
a eternamente empurrar uma pedra morro acima.
Ixion, o primeiro humano a derramar o sangue
 de um parente, como punição, 
girou em uma roda de fogo eternamente!
Tântalo desfrutava da confiança dos deuses,
conversava e jantava com eles.
Mas cometeu um erro irreparável, 
contou os segredos dos deuses aos seus amigos,
seu castigo foi ficar imerso até o pescoço 
em água fria que sumia quando ele tentava matar a sede.
Uvas suculentas sobre ele que, 
também desapareciam ao tentar a fome matar!
Radamanto, Éaco e Minos, juízes dos mortos,
criaram um lugar para os mandar,
assim seriam justamente castigados,
esse lugar é o Inferno propriamente dito,
que na Mitologia Grega o nome 
é Tártaro.

Ivone

17 comentários:

  1. Pois eu não sabia desse nome... até procede, rs.
    Mas fiquei pensando na sede e na fome, haverá maior castigo, maior tormento do que ser mergulhado em água e não poder beber? E ter fome e não comer? Muito boa postagem, querida Ivone.

    Beijo! Um ótimo restinho de Carnaval que está terminando, que bom...rs depois vida normal!!

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Duplamente impressionado. Pela aula e pelas descrições dos castigos. Muito bom, amiga Ivone. Bom feriado aí.

    ResponderExcluir
  3. Mais um momento de aprendizagem! Adorei ler :)


    Beijos
    Bom Carnaval

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde Ivone.
    Um relato arrepiante, é um castigo bem severo, ter fome e não poder comer e sede e não pode beber, pior do que a morte rsrs. Uma linda semana. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Cara amiga Ivone, aqui a gente está sempre aprendendo. Um abração daqui do sul. Tenhas, sei que terás, uma linda semana.

    ResponderExcluir
  6. Olá querida Ivone
    Os deuses ordenavam castigos bem severos e quase sempre culminavam com morte
    Muita violência dispor da vida de outrem. Um relato impressionante
    Beijinhos minha linda amiga

    ResponderExcluir
  7. Boa noite, querida Ivone,
    que maravilhosos ensinamentos, gosto da mitologia, e aqui encontrei um poema com significativo conteúdo. Não sabia a maior parte, e agradeço por tanta gentileza em compartilhar conosco. Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Necessidades básicas castigadas... Só mesmo assim para se dar o devido valor!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Sempre é tempo de aprender...Obrigada Ivone por essa incrível e fascinante aula, AMEI!!! abraços, ania..

    ResponderExcluir
  10. Ivone,não conhecia e foi muito bom ler.
    Foi realmente uma excelente aula sobre Tártaro e todos esses castigos!
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  11. Gostei dessa poesia, parabéns.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Querida amiga, Ivone!
    Que agonia! Agua até o pescoço e não poder beber! Os deuses eram imaginativos nos castigos! Adoro sua maneira de contar sobre mitologia!
    Beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
  13. Olá, Ivone.

    Mais um interessante e mitológico post. Hoje o ser humano vive a criar infernos existenciais, comportamentais, conscienciais... Mas, um dia todos aprenderão a criar seus paraísos.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  14. Aprendi mais aqui, adoro!!

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  15. Brilhante poema, adorei!
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  16. Poema maravilhoso amei, obrigado pela visita.
    Blog:https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderExcluir
  17. Nossa Ivone,,
    Antes era pior que agora. Ainda bem que tinha o inferno.
    Gostei de saber
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir

Meus amigos e visitantes, obrigada pela visita, se quiserem comentar ficarei muito feliz em ler, visitarei a cada um em forma de retribuição pela amizade que pra mim é fundamental, beijos e abraços apertados!

Ivone H Sato