10/01/2016

Otimismo é preciso!

Nada de novo debaixo do Sol,
portanto...
De novo o ano sendo contado, de janeiro a dezembro,
de nada adiantou ficar contando os meses, os dias e as horas!
Chegou e com ele tudo o que tinha de vir junto,
os velhos problemas, as velhas maneiras,
as velhas crenças.
De novo mesmo é o aumento dos impostos, ah, esses nem adianta espernear,
estão aí para nos fazer gastar o décimo terceiro que nem deu para
desfrutar, rio, sim, rio para não chorar!
Rir é sempre o melhor remédio, fazer algo para nos alegrar,
deixar o tempo passar, sim, bem assim!
Já estou planejando as viagens que, se não as fizer enquanto estou assim, 
podendo andar, não se pode saber no futuro como será?!
Amigos, otimismo, é preciso otimismo para se viver 
aqui na terra brasilis!
Amo poder escrever meus pareceres,
tanto que versejo, proseio, só não canto meu canto,
pois nem os tenho!
Amo sorrir, rir, viajar, conhecer lugares,
muitos foram de bom proveito, aprendi muito,
acho que foi para isso que nasci, digo que 
ganhei essa reencarnação de presente!
Cresci, amadureci
e envelhecendo estou com todo o prazer de quem
quando olha para trás só vê que fez tudo muito bem!
Então vamos seguindo, com fé na Vida,
pois Essa com certeza dá e tira,
se for preciso!

Ivone.


8 comentários:

  1. Oi Ivone,nem me fale sobre o que temos que pagar logo no inicio do ano.
    Mas ainda bem que podemos,pois há pessoas que estão perdendo os empregos e mal tem para comer.
    Vamos sorrir muito,pois a vida é sempre linda,mesmo com tantas falcatruas que vemos.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  2. Bem, Ivone, não adianta espernear mesmo. Estamos numa "roda viva" de cuidar de nós, dos nossos e dos vossos que tanto necessitam! Melhor poder ajudar que ser ajudada! Amém!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Optimismo é preciso sim, neste momento ando em baixo, muita chuva que me deixa triste.
    Gostei de ler-

    Bejinhos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. É adorável o seu prazer de viver. Lamúrias não nos empurram à frente, e ainda afastam as pessoas de alma leve.
    Desejamos muitas e lindas viagens!
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  5. Esse é o caso, velho ano passa, novo ano chega, e a vida de sempre segue o passos de sempre...com os impostos, claro!

    ResponderExcluir
  6. Linda semana, Ivone!!!!!!!!!!! Beijos

    ResponderExcluir
  7. Querida amiga Ivone, teu texto recheado de sabedoria trouxe-me à memoria um seção da antiga revista Seleções, era a página "Rir é o melhor remédio", espaço de relatos em que situações embaraçosas eram tiradas de letra através do humor, e também fez-me lembrar de uma música do Milton Nascimento, a qual tenho certeza que tu conheces, pois ela foi muito rodada nos anos 70: "Maria, Maria"
    Até estou abusando um pouquinho e colocando a letra daquela aqui, só para relembrar


    Maria, Maria,
    É um dom,
    Uma certa magia
    Uma força que nos alerta
    Uma mulher que merece
    Viver e amar
    Como outra qualquer
    Do planeta

    Maria, Maria,
    É o som, é a cor, é o suor
    É a dose mais forte e lenta
    De uma gente que rí
    Quando deve chorar
    E não vive, apenas aguenta

    Mas é preciso ter força,
    É preciso ter raça
    É preciso ter gana sempre
    Quem traz no corpo a marca

    Maria, Maria,
    Mistura a dor e a alegria
    Mas é preciso ter manha,
    É preciso ter graça
    É preciso ter sonho sempre
    Quem traz na pele essa marca
    Possui a estranha mania
    De ter fé na vida.


    Um abração. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Dilmar, esse espaço é seu, podes escrever e postar com toda a liberdade e amei, amei e amo essa música e letra, bem assim, pois eu também tenho a estranha mania de ter fé na vida, sempre!!!
      Abraços sempre bem apertados meu amigo sempre querido!

      Excluir

Meus amigos e visitantes, obrigada pela visita, se quiserem comentar ficarei muito feliz em ler, visitarei a cada um em forma de retribuição pela amizade que pra mim é fundamental, beijos e abraços apertados!

Ivone H Sato